Silicon Valley continua a surpreender

Você já experimentou perguntar sobre gestão de competências, governança ou mesmo remuneração variável a um empreendedor de Silicon Valley?

Luís Augusto Lobão
30 de Março de 2018

Você já experimentou perguntar sobre gestão de competências, governança ou mesmo remuneração variável a um empreendedor de Silicon Valley? Eu já – na recente missão HSM a Silicon, a Naveen Jain, que é o chairman da Moon Express, que desenvolve equipamentos para a mineração lunar, e investe em muitas startups de saúde. Vi nitidamente que essas questões não faziam o menor sentido para ele. Seu apego ao sucesso do passado ou a fórmulas consagradas de gestão é zero. O modelo de manutenção do status quo em que a maioria das empresas ainda opera bate de frente com o mundo descontínuo e disruptivo em que Jain vive, embora seja o mesmo planeta Terra meu e seu.

Quando comparados a executivos tradicionais, esses empreendedores de Silicon Valley parecem alienígenas. Com idade média de 23 a 28 anos, muitos já são milionários – alguns, bilionários –, com uma fome de negócios insaciável, velocidade extrema do insight à fortuna e modelo de liderança progressista. O resultado é que mesmo empresas de atividades tão malucas como garimpar a Lua já levantam quase US$ 40 milhões de investidores.

O pensamento exponencial é o novo mindset da gestão, e esse foi a nossa primeiroa aprendizagem na Missão a Silicon Valley. Como o modo-padrão de nosso cérebro é de pensamento linear, para captar as oportunidades exponenciais temos de recorrer a ideias-chave como os 6 Ds –digitalização, deceção (deception, ou ilusão), disrupção, desmonetização, desmaterialização e democratização do uso e acesso, viabilizadas por meio de um segundo aprendizado, o das tecnologias exponenciais, que estão mudando o mundo como o conhecemos: energia fotovoltaica, equipamentos médicos e laboratoriais, biologia sintética, robótica, manufatura 3D, inteligência artificial (IA), internet das coisas, nanomateriais, neurotecnologias etc. E pense nessas tecnologias combinadas.

Em todos esses campos acontecem três coisas: (1) as tecnologias/ produtos estão se tornando digitais, (2) seu desempenho cresce exponencialmente e (3) seus preços caem exponencialmente. Muitas dessas tecnologias ainda estão no início, como a Siri, do iPhone, que ainda parece só algo engraçadinho e sem funcionalidade. Mas a Siri é uma criança, tem sete anos; dê-lhe mais sete e será 128 vezes melhor do que é hoje – será melhor que qualquer ser humano em entender você, o que deve acabar com os call centers.

A terceira aprendizagem é que o ambiente de negócios em Silicon Valley é imbatível para a inovação. Muita gente já disse que, mais que um espaço físico, é um estado de espírito, que valoriza ideias inovadoras, onde a meritocracia prevalece, a colaboração e a partilha de informações são essenciais, e as ideias são a principal moeda. E é verdade. Mas o que ficou claro é que não se trata de um ecossistema, e sim da interação de vários: o das universidades, com professores fazendo pesquisa; o industrial, com empresas incentivando e revolucionando o mercado; de startups, tornando as inovações eficazes e comerciais; o legal, que permite criar empresas e distribuir equity; e o de capital. No meio, há um fluxo de pessoas mais inteligentes que a média – imigrantes são bem-vindos – e um mercado bom para fazer testes. Cerca de 30% a 40% dos investimentos fracassam, mas tudo bem.

Revista Digital Start&Go

Últimas