Gestão do talento – Compromisso com a competitividade!

Oriunda no contexto organizacional atual relacionado com a globalização, no qual assuntos como liderança, gestão do desempenho, criatividade, inovação, produtividade e crescimento são temas fulcrais, a gestão de talentos é um dos maiores desafios actuais da gestão de pessoas.

Daniela Moreira
1 de Outubro de 2019

A última recessão, obrigou as empresas a modificarem os seus modelos de negócios, quer do ponto de vista estratégico, quer na forma de desenhar e gerir os programas de gestão de talentos. Desde então, as organizações passaram a enfrentar novos desafios, nomeadamente a necessidade de responder às crescentes exigências dos colaboradores relativamente a questões como segurança, estabilidade e oportunidade de crescimento na carreira para os principais talentos e para os colaboradores com competências críticas para o negócio.

Assim, conseguir um maior comprometimento, uma retenção do talento e uma maior produtividade, só parece ser possível através da utilização de processos e metodologias que beneficiem mutuamente a empresa e o colaborador. A Gestão de Talento pode cumprir amplamente esse objectivo, ao tratar-se de uma abordagem organizacional que tem como objectivo a criação de valor nas equipas e nas empresas, através da identificação do potencial versus motivação dos seus colaboradores.

A gestão do talento organizacional, tem entre outros, os seguintes propósitos:

  • Identificar o potencial / talento versus motivação de cada colaborador na organização;
  • Aproveitar o potencial / talento versus motivação de cada colaborador na organização;
  • Desenvolver o potencial / talento versus motivação de cada colaborador na organização;
  • Enquadrar (manter, alocar e realocar) com adequação o colaborador à função, à equipa ou área da empresa conforme o seu potencial / talento versus motivação, salvaguardando as necessidades organizacionais;
  • Reter o colaborador conforme o seu potencial / talento versus motivação, salvaguardando as necessidades organizacionais;
  • Validar métodos e processos de avaliação utilizados pela empresa com os seus colaboradores;
  • Permitir um feedback efectivo e genuíno sobre o desempenho dos seus colaboradores;
  • Decidir sobre a implementação de estratégias de reconhecimento e recompensa aos seus colaboradores;
  • Promover o desenvolvimento individualizado e o acompanhamento dos seus líderes e equipas;
  • Garantir de uma forma sistemática a satisfação dos seus colaboradores.

Mas afinal em que consiste a gestão de talento?

Gerir talento é identificar capacidades para adquirir novas competências, mas também diz respeito a reconhecer conhecimentos, habilidades, atitudes e comportamentos que podem ser optimizados de modo a criar o fit entre organização e o colaborador. É com a criação e manutenção da motivação dos colaboradores que se consegue contribuir favoravelmente para o alcance dos objectivos organizacionais, impulsionando o negócio.

O grande desafio da equipa de liderança em conjunto com a Direcção de Recursos Humanos e nunca exclusivamente do Departamento de Recursos Humanos, é identificar o potencial/talento versus motivação de cada colaborador de modo a orientá-lo e consequentemente apostar no seu desenvolvimento. Convém salientar que as equipas de alto desempenho são aquelas que aliam elevado grau de competência a elevados níveis de motivação.

São vários os modelos que podem servir de base à gestão de talento organizacional, sendo que é fundamental que sejam sempre feitos ajustes ao modelo, para que este encaixe na perfeição na organização. Partindo do pressuposto que talento pode ser descrito como a integração plena da competência e motivação dos seus colaboradores com visão estratégica da empresa, os principais objectivos de um qualquer modelo de gestão de talentos devem ser: Identificar, avaliar e implementar um conjunto de acções que favoreça, um alinhamento entre a visão estratégica da empesa e o talento dos seus colaboradores de modo a conseguir um match entre as verdadeiras necessidades da empresa e o potencial (talento) dos seus colaboradores. Verifica-se, por isso um enfoque na liderança da empresa, uma vez que é esta a principal responsável por poder fazer acontecer que um conjunto de esforços seja operado no sentido de uma tomada de decisão rigorosa e transparente.

Ainda que premente, a gestão de talento faz parte do dia-a-dia da sua organização? E se a resposta for negativa, reflicta no motivo e nas implicações que pode ter.

Artigo em formato PDF

Revista Digital Start&Go

Mesmo autor